Tadeu Henrique de Lima

16 de Abril de 2018

Doutorado em Engenharia Metalúrgica, Materiais e de Minas, área de concentração em Ciência e Engenharia de Materiais – Biomateriais- Universidade Federal de Minas Gerais. Possui Mestrado em Ciência e Engenharia dos Materiais – Biomateriais – UFMG (2011). Graduado em Fisioterapia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2007). Licenciatura em Biologia. Licenciatura em Química. Pós-graduado em Saúde e Segurança do Trabalho. Pós-graduado em Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Atua na área de Engenharia de Materiais (Biomateriais poliméricos, metálicos e cerâmicos) desenvolvendo trabalhos de pesquisa em produção de nanofibras e nanopartículas poliméricas pelos métodos de electrospinning/electrospraying, polímeros biodegradáveis (naturais e sintéticos), liberação controlada de fármacos e materiais inteligentes. Atualmente, trabalha nos seguintes projetos (desenvolvimento de nanopartículas poliméricas por electrospraying para tratamento de doenças negligenciadas / desenvolvimento de vasos sanguíneos artificiais a partir de nanofibras de polímeros biodegradáveis / produção de tubos de nanofibras poliméricas para indução de crescimento de células nervosas e direcionamento de nervos periféricos para aplicação em organismos humanos, desenvolvimento de osso sintético, desenvolvimento de scaffolds nanoestrutuados para engenharia de tecidos humanos, nanofibras poliméricas associadas a nanotubos de carbono e nanotubos de nitreto de boro (BNNT) para aplicações em ambiente biológico e síntese de poliuretanos para aplicações médicas), desenvolvimento de nanopartículas revestidas com material genético de organismos específicos para vetorização em massa via dispersão aérea. Atua como professor do curso de pós-graduação stricto sensu, na Faculdade Promove de Tecnologia (ÚNICA EDUCACIONAL), em Belo Horizonte, onde orienta diversos alunos do Mestrado em Tecnologias Aplicadas à Saúde, em variados temas multidisciplinares (Engenharia, Tecnologia da Informação, Ciências da Saúde, Química e Direito). Professor dos cursos de Graduação nas áreas da saúde nas Faculdades Promove/Kennedy (Odontologia, Enfermagem, Nutrição e Estética/Cosmética). Disciplinas lecionadas: Biomateriais I, Biomateriais II, Ciência dos Materiais para Engenharia e Biomédicas, Diagnóstico por imagem, Anatomia Humana (Teórica e Prática), Fisiologia Humana, Processamento de Materiais Nanoestruturados , Ergonomia e Higiene Industrial e Segurança do trabalho.

http://lattes.cnpq.br/2168235516432541

 

CEBID: O que são nanomateriais e quais são suas vantagens quando comparados com os materiais micro e macroestruturados? Nanomateriais  são materiais que possuem graus estruturais na ordem de 10-9 do metro (1 bilionésimo do metro). Eles são importantes pois quando na escala manométrica esses materiais têm suas propriedades físicas acentuadas. Desta forma, um mesmo material apresentando-se em escalas diferentes de dimensão demonstrará suas mesmas propriedades, porém de forma muito mais intensa quando na escala nanométrica. Por exemplo, o cobre (Cu) é um metal que possui elevada condutividade elétrica mas quando na escala nanométrica esta capacidade de condução elétrica se torna muito mais acentuada, uma vez que há um aumento da sua área superficial. Essa característica de aumento de intensidade nas propriedades físicas dos nanomateriais é que os torna muito atrativos para diversas aplicações na atualidade e nas mais diversas áreas.

CEBID: O que é Bioengenharia Tecidual?

A Bioengenharia Tecidual é um campo multidisciplinar que envolve a aplicação de princípios e métodos da engenharia e das ciências da saúde para assistir e acelerar a regeneração e o reparo de tecidos defeituosos ou danificados. Deste modo, essa ciência visa criar e aprimorar novas terapias e/ou desenvolver novos biomateriais que restaurem, melhorem ou impeçam o agravamento da função tecidual comprometida (MARINS et al., 2004). Essa especialidade possui diversas aplicações, como em situações com grande perda de integridade tecidual resultante de traumas, deformidades do desenvolvimento e doenças. Assim, o principal objetivo da Bioengenharia é superar as limitações dos tratamentos convencionais vigentes, baseados na cirurgia reconstrutora ou no transplante de órgãos.

Sobretudo, sendo capaz de produzir substitutos para órgãos e tecidos que apresentam tolerância imunológica, o que possibilita sua implantação no paciente sem risco de rejeição pelo organismo.

CEBID: O que são Biomateriais e Nanobiomateriais? Qual a relevância destes materiais para a nossa sociedade?

Biomateriais, segundo Willians (1987), podem ser definidos como qualquer substância ou combinação de substâncias, exceto fármacos, de origem natural ou sintética, que podem ser usados durante qualquer período de tempo, como parte ou como sistemas que tratam, aumentam ou substituem quaisquer tecidos, órgãos ou funções do corpo.

Já os Nanobiomateriais são Biomateriais nanoestruturados. Como os Nanobiomateriais encontram-se nas mesmas dimensões dos componentes do nosso organismo (por exemplo, nas mesmas dimensões dos componentes que compõem o interstício) a interação das células com esses materiais é muito mais efetiva. Scaffolds nanoestruturados para produção de órgãos artificiais fora do organismo humano (Engenharia de Tecidos Humanos) induzem uma resposta celular muito condizente com a resposta que as células produziriam dentro do organismo humano. Desta forma, materiais adequados – na escala nanoestruturada – podem e são utilizados para o desenvolvimento de tecidos e órgãos em laboratório que, posteriormente, serão implantados no organismo humano. Dentre esses tecidos e órgãos podemos citar: tecido ósseo, vasos artificiais para substituição de veias e artérias, pele e coração. Além dessas estruturas para implante em organismo humano também podem ser desenvolvidos, na escala nanométrica, dispositivos para a liberação controlada de fármacos, os quais propiciam tratamentos mais eficazes para diversas doenças com diminuição brusca de efeitos colaterais. Alguns princípios ativos inseridos em nanoestruturas já estão no Mercado e, por diversas vezes, o consumidor faz uso do medicamento mas não tem a mínima ideia da composição do material que está utilizando.

CEBID: A nanotecnologia e os materiais provenientes desta tecnologia podem trazer também efeitos deletérios para a sociedade?

Certamente. Esta tecnologia, quando não utilizada da forma correta, pode gerar também malefícios para a sociedade. Ainda não se tem estudos científicos realizados em longo prazo relacionados aos efeitos de nanomateriais sobre o organismo humano. Desde o seu surgimento, o homem encontra-se em contato com materiais nanoestruturados, mas na sua forma natural (por exemplo, nanopartículas provenientes de erupções vulcânicas). O problema pode estar nas nanoestruturas sintéticas (nanomateriais produzidos pelo homem) que, por diversas vezes, associa mais de uma classe de materiais gerando os nanocompósitos. Não se sabe, ainda, quais os efeitos desses nanomateriais sintéticos sobre o organismo humano quando há uma exposição em longo prazo. As dúvidas quanto aos malefícios da nanotecnologia recaem, também, sobre quais as influências dessas nanopartículas para o meio ambiente. Nanopartículas sintéticas interagindo com a natureza podem levar a respostas diversas quando em contato com os animais e plantas.

Além disso, já existem pesquisas direcionadas ao desenvolvimento de nanopartículas para vetorização em massa. Ou seja, nanopartículas que podem ser dispersas no ar e que irão interagir com milhares de indivíduos o que poderia levar, por consequência, a uma imunização em massa para determinadas doenças, muitas vezes doenças negligenciadas pela própria sociedade. Um grande problema é que essa tecnologia, nas mãos erradas, poderia ser utilizada também para ocasionar malefícios a determinados grupos populacionais, podendo ser utilizada, de certa forma, até mesmo para a prática de atos terroristas.

O que preocupa toda a comunidade científica é, justamente, o fato de não existir uma regulamentação adequada envolvendo esse novo campo de conhecimento. A elaboração de normas que possam regulamentar o processamento, desenvolvimento, manipulação, transporte, descarte e utilização de nanomateriais torna-se cada vez mais necessária. A sociedade precisa ter um olhar diferenciado quando o assunto é a nanotecnologia e suas implicações.

Samuel Júnior

Receba novidades por email