Terapia neural usa injeção de anestésico para tratar sintomas crônicos

10 de outubro de 2012

02/10/2012 – 05h15

Terapia neural usa injeção de anestésico para tratar sintomas crônicos

JULIANA VINES
DE SÃO PAULO

Desconhecida no Brasil, a terapia neural propõe o tratamento de sintomas usando injeções de uma substância chamada procaína, que, segundo o método, provoca um estímulo no sistema nervoso e “reorganiza” funções do organismo.
A técnica, que surgiu na Alemanha na década de 1920 e é popular em países da Europa e da América Latina, tem princípios parecidos com os da acupuntura: considera o corpo como um todo e não se preocupa necessariamente com a cura.
Para a terapia neural, fatores físicos e emocionais, como um trauma ou uma cirurgia, desequilibram o sistema nervoso. Essas alterações levam a sintomas físicos, entre eles dores crônicas, insônia ou prisão de ventre.
A aplicação da substância seria capaz de restaurar o equilíbrio neurológico, o que contribuiria para o desaparecimento do problema.
Marcelo Justo/Folhapress
A terapeuta Silvia Serber simula a aplicação de procaína no couro cabeludo
A terapeuta Silvia Serber simula a aplicação de procaína no couro cabeludo
“A terapia ‘apaga’ as memórias irritativas [relacionadas a traumas] do sistema nervoso”, diz Afonso Jorge França, ortopedista e terapeuta neural.
A procaína é um anestésico local injetável pouco usado hoje. Nessa terapia, sua função de anestésico é a menos importante, tanto que é usada superdiluída.
“Pensamos na procaína como um estímulo, não como um remédio, assim como a agulha da acupuntura é um estímulo e o glóbulo da homeopatia é outro”, afirma a terapeuta ocupacional Silvia Serber. Ela acabou de fazer um curso do método na Colômbia e está trabalhando com a técnica aqui no país.
Na terapia neural, uma cicatriz pode ser desbloqueada (como se a lembrança associada a ela fosse apagada). Cicatrizes, por sinal, são tidas como pistas importantes para tratar um problema.
Outro ponto fundamental é a saúde dos dentes –por ser uma região muito enervada–, o que faz a técnica ser praticada por dentistas.
“Grande parte das doenças sistêmicas têm origem na cavidade bucal. É possível aplicar a terapia na boca e tratar males à distância”, diz Emiko Uchida, dentista que usa o método e faz uma pesquisa sobre o tema na USP.

HISTÓRICO DO DOENTE

Para o terapeuta neural, o sintoma e a história da pessoa são mais importantes do que o diagnóstico da doença.
Uma sessão (custa, em média, R$ 200) pode ter mais de 40 minutos de conversa. Só depois o profissional decide onde aplicar as injeções, quase sempre superficiais.
“Fazemos uma pápula, é uma bolhinha de líquido sob a pele. Essa bolha é reabsorvida rapidamente e isso já é suficiente para o estímulo nervoso”, explica Serber.
Não há garantia de que o paciente saia da sessão livre do problema. Segundo França, o efeito anestésico em si dura cerca de 20 minutos. E o efeito neurológico varia de pessoa para pessoa.
Os terapeutas acompanham o paciente e, se preciso, fazem novas aplicações.
A psicóloga Nilce Silveira, 61, procurou a terapia neural para tratar uma tosse insistente e para deixar de roncar.
“Dói menos que tirar sangue. Fiz aplicações no peito e nas costas. Não parei de tossir na hora, mas saía da sessão aliviada e a tosse foi melhorando com o tempo. Foi a mesma coisa com o ronco.”
Ela fez o tratamento há um ano. E, aos poucos, os problemas voltaram. “Faria de novo, foi uma boa ajuda”, diz.
RISCOS

A terapia neural é contraindicada para quem tem alergia à procaína ou a outros anestésicos usados, como xilocaína.
Segundo a anestesiologista Fabíola Minson, membro da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, a procaína é considerada mais alergênica do que outros analgésicos usados pela medicina convencional. Para ela, o tratamento oferece riscos.
“Qualquer procedimento invasivo tem risco de infecção. O fato de ser feito por não médicos me preocupa bastante.”
Segundo José Oswaldo de Oliveira Júnior, neurocirurgião do Hospital A.C. Camargo, não há evidências suficientes para justificar a terapia neural. “O profissional que faz deve ter o consentimento do paciente e assumir o risco.”
O Conselho Federal de Medicina ainda não avaliou o tema e não endossa e nem proíbe a terapia.

RS: Geriatra da Capital é suspenso por 30 dias  

Dono de clínica ortomolecular recebeu duas sanções em quatro meses  

 
 
O geriatra Eduardo Gomes de Azevedo, dono da Clínica Anna Aslan, localizada no bairro Higienópolis, na Capital, ficará incapacitado de exercer a medicina por 30 dias, a partir de quinta-feira. A punição partiu do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), onde funciona uma das clínicas, e também se estende a outras filiais, como a do Rio Grande do Sul. É o último estágio antes da cassação do registro profissional.
É a segunda vez em quatro meses que Azevedo é impedido de clinicar. Em dezembro, a determinação partiu do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers). A clínica de Porto Alegre está interditada desde fevereiro de 2009 por usar métodos sem comprovação científica, por ter impedido a fiscalização de órgãos de vigilância sanitária e manter relações com a indústria farmacêutica.

Uso de produto é condenado pelo Conselho Federal 

Adepto da medicina ortomolecular, o paraibano Azevedo é conhecido entre celebridades e políticos por um tratamento que promete rejuvenescimento, aumento da memória e da disposição à base de injeções de uma substância chamada procaína. No Brasil, a procaína só é reconhecida como anestésico. Outros tipos de aplicação carecem de pesquisas sérias que justifiquem seu uso e são condenadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).
– O uso da procaína é antiquíssimo e não há comprovação de que seja uma terapêutica antienvelhecimento. Tanto que a maioria das denúncias é de pacientes que não obtiveram o resultado esperado com o tratamento e de propaganda enganosa – informou o corregedor do Cremers, Regis Porto.
No Estado, Azevedo teria feito propaganda sobre o tratamento ortomolecular para o combate ao câncer, que não é reconhecido pelo CFM salvo casos específicos. Após serem julgados no Estado, os processos contra o médico são encaminhados para o CFM, instância responsável por decidir a cassação ou não do registro profissional.
As queixas contra o geriatra se multiplicam nas capitais onde a clínica Anna Aslan têm filiais.
– Ele tem desrespeitado sistematicamente as punições dos conselhos regionais, o que pode agravar a sua situação – diz o corregedor.
Ontem, ZH entrou em contato com a clínica na Capital e foi informada de que o médico não estava em Porto Alegre. A assessoria de imprensa da rede Anna Aslan, em São Paulo, informou que o departamento jurídico da empresa está avaliando a situação e até o momento não tem uma resposta a dar.

Fonte: Zero Hora

—————————————————————-
CEBID – Centro de Estudos em Biodireito

Equipe Cebid

Centro de Estudos em Biodireito

Assuntos

Mais lidas

Mais conteúdo

Eventos

Receba novidades por email